sábado, 18 de abril de 2009

Monteiro Lobato

Eu era a Narizinho, mas gostava mesmo era da Emília. Eu era menina, de cabelos pretos e tinha o tal narizinho arrebitado. Não morava no sítio, não tinha aquela delícia de vovó, não comia os quitutes da Nastácia, mas tinha muita imaginação e incorporava as histórias de Narizinho. Mas eu gostava mesmo era da Emília.  Como eu queria uma boneca que tagarelou a falar. E queria os ímpetos malvados da boneca. Emília não levava desaforo para casa. Eu também queria ter nascido de uma caixa de costura, de pano, linha e agulha, e ser a boneca gente.
Monteiro Lobato apareceu na minha vida como um nome numa coleção de livros na estante. A minha casa sempre teve muitos livros e meus pais liam e lêem bastante. Minha mãe me contava as histórias dos livros e meu pai - jornalista - contava histórias da vida. Não sei ao certo como tudo aconteceu, mas sei que foi de forma natural. Hoje sou jornalista, com mestrado em Letras e sei que isso está relacionado à minha história.
A minha filha também tem o narizinho arrebitado - marca da família. A nossa casa está cheia de livros e histórias. Nessa era de internet não dá para saber como será a relação delas com tudo isso, mas desejo que ela tenha as suas reinações. Não sei se com sabugos de milho, porcos, grilos e peixes que falam e enriquecem a vida. Mas espero que faça sentido a minha música preferida da infância. Narizinho, narizinho arrebitado, de olho curioso, de ouvido xereta, e no meio da boca tem um sorriso feliz.

17 comentários:

Marcos Pontes disse...

É a hora de você ser a Lobato de sua filha, né? O gosto pela leitura, creio eu, começa pelo bom exemplo.

Aléxia G. disse...

De mãe para filha...

beijos

Elaine disse...

Olá!
Isadora, sabe do que eu mais gosto nestas blogagens coletivas? A chance de garimpar blogs que trazem atrás de si gente boa de se conhecer, gente com talento para uma boa estória, gente delicada. Que prazer conhecer seu blog!
E que Narizinho linda deve ser a sua pequena!
Beijos e fique com Deus.

Marcia Barbieri disse...

É,realmente Lobato adivinhava crianças,depois de tanto tempo,encontrei Narizinho.Lindo texto!!!

beijos ternos

Compulsão Diária disse...

Eu fui gostei da postagem sua. Mostra sua preocupação. Se dá pra vc ser a Lobato da sua filha isso é um mistério. Não sabemos o que nossos filhos escolherão. Mas, o exemplo ensina. E se vc foi Narizinho, sua filha pra se destacar e se constituir como uma outra plena...quem sabe não será Emília?

Renata Nogueira disse...

Parabéns Isa!
Adorei!
Beijão

Mari Amorim disse...

Olá!
Que lindo, Parabéns!
a blogagem nos possibilita esse conhecimento,tb estou participando.
beijos
Mari

digitaqueeuteleio disse...

Uma das coisas que mais gostava de fazer era o "querer ser" este ou aquele personagem. Imaginação pura se visto nos tempos de hoje.

A imaginação das crianças de hoje caminha com a velocidade da tecnologia. Nada as impedirá de terem "Lobatos" digitais. Mas para quem tem "Lobatos" reais, vale qualquer tempinho a sós com o pimpolho, para contar sempre, uma versão original das histórias infantis.

Parabéns pelo texto!
Marcelo.

Pai dos trigemeos disse...

Voce ja virou meio eEmilia, ne?! Adorei saber disso tudo da sua infancia...da pra imaginar o que a sua pequena vai receber de ti.
beijos
Octavio

APPedrosa disse...

Delícia de texto. beijo

Susana disse...

Isadora: Muitas vezes vem à lembrança essa canção do Narizinho, mas também gostava mais da Emília aquela bonequinha de trapos, quando passava cá em Portugal essa escelente série. Obrigada pelo post, fez-me reviver algumas histórias daquele fantástico Sítio!

Abraço,
Susana

Cris Marino disse...

Isadora,

Que linda história de menina...tenho certeza que sua filha trilhará uma história tão bonita quanto a sua, pq ela tem você!

Os personagens do sítio marcaram nossa infância né, ô época boa, eu lembro que assistia com meus dois irmãos e a minha mãezinha...uma delícia!
Beijokas

Luciano A.Santos disse...

Oi Isadora,

o sítio com certeza foi o destino sonhado por milhares de crianças, e muitos viajaram para lá em imaginação, e foram felizes.

Belíssimo post, abraços.

Vanessa disse...

Isadora, obrigada por contribuir com um texto tão cheio de carinho para o sucesso desta coletiva.

Abraço

luzdeluma disse...

Isadora, eu acho que os exemplos falam bem alto e claro que sua filha saberá captá-los todos! Boa blogagem! Beijus

Vanessa disse...

Oi, já está no Fio a lista com os textos selecionados para a votação que premiará três blogueiros com um livro da Zahar. Conto com você para ajudar nesta tarefa. O link é http://tinyurl.com/dnlozq


Abraço

Paula disse...

Sempre gostei das Reinações de Narizinho...e tinha uma bonequinha Emília q guardo até hpje...
Uma doce quarta-feira pra vc!
Bjos,
Paulinha