quarta-feira, 17 de junho de 2009

Fim da obrigatoriedade do diploma de jornalista

A decisão do STF de desobrigar a exigência de diploma para o exercício da profissão de jornalista caiu feito uma bomba para os meus alunos que terão o canudo no fim do ano. A sensação era que o curso não teria valido nada. Felizmente a realidade não é essa.
O jornalismo mudou, mudou muito, mas ainda não sabe exatamente o que virou. No mundo multimídia a informação deixou de ter dono e todo mundo informa e é informado por um clique. O jornalista era aquele que sabia "tudo" e tinha nas mãos o poder de decidir quem está certo ou errado, quem é o mocinho e quem é o vilão.
O jornalista acreditava que era o único capaz de falar de economia para dona de casa, o único que sabe qual informação era relevante para a sociedade. Mas há mais, há muito mais.
O mesmo jornalista por vezes se esqueceu de escutar a versão do acusado, por vezes aceitou a versão da policia de que o menor assassinado morreu por morte natural sendo negro, pobre e morador da favela. O jornalista por vezes preferiu bater numa empresa porque assim conseguiria a manchete, mesmo que a informação não fosse tão confiável ou confirmada. O jornalista quase sempre tinha o seu político favorito (ou favorito do dono do jornal, o que na prática dá quase na mesma) e fingia ser imparcial.
E o jornalista, montado na sua arrogância de quem tudo sabe, perdeu o bonde da história.
Sou jornalista, amo minha profissão, e lamento que a classe tenha perdido tanto prestígio. A mesma era multimídia que coloca em cheque o poder da mídia faz do profissional que reconhece o que é informação e sabe organizá-la em meio a tanto lixo de megabytes um ator social essencial.
O bom jornalista - aquele que sabe aprender, que está disposto a conhecer o outro, que mantém a crítica social, que conhece de gente, que pelo menos lá no fundo carrega aquele desejo de super-homem de consertar o mundo - usa tudo isso para identificar a informação e sabe como dizê-la a quem quer que seja. O bom jornalista quer mais que as pessoas se informem e assim se formem. O bom jornalista não precisa ser o dono da informação e não precisa ter medo de alguém parecer mais sabido que ele.
O bom jornalista entendeu um pouco do rumo da história e para esse jornalista não falta trabalho.

Um comentário:

Pai dos trigemeos disse...

Arquitetos tambem perderam prestigio. Seu lugar foi tomado pelos decoradores. A imagem do 'habitat' eh mais importante que o 'habitat' em si.
Em outros paises a situacao do jornalismo eh assim tambem, nao eh? Nao precisa de diploma pra exercer a profissao. Acho justo, correto. Agora, o que sera dos cursos superiores? Jornalismo sera materia dos cursos de humanidades?
Coragem!